sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

É Fantástico...


É fantástico como podes te apaixonar por uma pessoa que nem reparaste quando se conheceram pela primeira vez.
Façam gosto na minha pagina no facebook, Love Peace and Write. 

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Parceira de Pagina!

Olá pessoal, 
tenho uma nova parceira na minha pagina do facebook, a criadora do blog More Love! More Smile!, Arts School e Love Music... +Cátia Fernandes é a minha parceira na pagina Love Peace and Write.
Mandam os seus comentarios e gostem! 
Love Peace and Peace
Kisses Lovewriters

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

O Que Estou A Ler! Hush, Hush, Becca Fitzpatric

Citações
"- Hum! Hum! - respondi, pousando o papel entre a bola preta e a bola 4. Sem querer, embarrei na bola 4 ao escrever Charuto, sem duvidas na terceira linha. 
- Estás a alterar o jogo - disse Pach, continuando a sorrir.
Olhei-o nos olhos e não consegui impedir-me de imitar o seu sorriso por um instante muito breve.
 - Espero que não a teu favor. Maior sonho? 
Sentia-me orgulhosa da ultima questão, porque sabia que Patch ficaria desnorteado: ia ter que pensar.
- Beijar-te
- Não tem piada - respondi, sustentando o olhar dele, grata por não gaguejar.
- Não, mas fez-te corar."
Love Peace and Write

 
 
 
 
 
 
 
 

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

As Histórias de Elphaba, adoro!

Olá pessoal, 
Como está a correr o vosso dia?
Eu recomendo a pagina e o blog de As Histórias de Elphaba, para quem tem duvidas de que livro devia de comprar e quer uma opinião ela dá. Eu adorei o sei blog, dá-me imensas sugestões!!!!!! Simplesmente fantástico! 
Espero que gostem, Love Peace and Write
http://historiasdeelphaba.blogspot.pt/

Quero ler!!! Do céu com Amor - Michelle Holman

Olá pessoal,
As Histórias de Elphaba recomendou-me este livro e para quem adora Drop Dead Diva, vão adorar ler este livro!

Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 408
Editor: Quinta Essência

Ler 1º Capitulo --> Paginas 

Sinopse
Depois de uma colisão frontal entre um elegante carro desportivo e um utilitário, um anjo bondoso faz uma troca na sala de espera do Céu. Uma professora baixinha, temperamental e amante de râguebi recebe uma segunda oportunidade e encontra-se no corpo de uma americana alta, deslumbrante e promíscua. Tem um marido rico e lindo de morrer que parece ter acabado de sair de um romance -, mas por uma razão qualquer, não suporta sequer olhar para ela. Ela pensa que enlouqueceu, e se contar a alguém as pessoas saberão que isso é verdade... e irão interná-la. E ela não pode fugir e esconder-se: tem uma perna partida.
Do Céu, Com Amor de Michelle Holman

Wook ---> Comprar 

Lorde - Team


Letras

Espere até que você seja anunciado
Nós ainda não perdemos todos os nossos encantos
Os cães vão ficar nas correntes
Olhe para além da sua grandeza e ela

Fará a convocação, fará a convocação (x15)

Chame todas as damas
Elas estão em suas melhores roupas
Centenas de joias nos pescoços
Centenas de joias entre os dentes
Agora traga os meus garotos para dentro
A pele deles em crateras como a lua
A lua, nós a amamos como a um irmão
Enquanto ele brilha pela sala

Dançando em torno das mentiras que contamos
Dançando em torno de grandes olhos também
Mesmo os letárgicos, eles não dançam e contam

Vivemos em cidades que você nunca vê na tela
Não muito bonitos, mas certamente sabemos como correr livremente
Vivendo nas ruínas do palácio dentro dos meus sonhos
E você sabe, estamos um no time do outro

Eu meio que estou cansada de me dizerem para jogar minhas mãos para o alto
Assim

Então todas as xícaras se quebram
Os pedaços embaixo dos nossos pés
Mas não foi minha culpa
E todo mundo está competindo
Por um amor que não receberão
Porque o que este palácio quer é liberdade

Vivemos em cidades que você nunca vê na tela
Não muito bonitos, mas certamente sabemos como correr livremente
Vivendo nas ruínas do palácio dentro dos meus sonhos
E você sabe, estamos um no time do outro

Eu meio que estou cansada de me dizerem para jogar minhas mãos para o alto
Assim
Eu meio que estou mais velha do que era quando me rebelei sem tomar cuidado
Assim

Vivemos em cidades que você nunca vê na tela
Não muito bonitos, mas certamente sabemos como correr livremente
Vivendo nas ruínas do palácio dentro dos meus sonhos
E você sabe, estamos um no time do outro
Estamos um no time do outro

E você sabe, estamos um no time do outro
Estamos um no time do outro
E você sabe, e você sabe, e você sabe

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Next em Viagem Inesquecível - Reviver, Anya

Olá pessoal,
Nora sente algo estranho em relação a Taylor e não sabe se quer saber o que é ou se quer ficar como está e não ser magoada de novo. --> Ver aqui
Clary está num enorme problema, o seu namorado não para de ser pressionada pelo namorado e sem saber como beijara Luck que finalmente está livre de Marise, mas o que é que ela vai fazer? Escolher entre Luck e Niall? ---> Ver aqui
Aurya descobre que Nathan é na verdade um dos membros da banda de rock e que lhe mentiu, no entanto ele revela que está a se apaixonar por ela, será que ela vai decidir o sente por ele ou vai se afastar dele --> Ver aqui
Na próxima parte, Anya sente se abalada por ter reencontrado o seu antigo amor, será capaz de encarar o seu passado e esquecer o que sente ou lutar por aquilo que sente?
Reviver será a proxima parte a ser publicada espero que estejam a gostar. Não se esqueçam de votar, se gostam ou não de Vizinho Perfeito. 
Espero que estejam a gostar...
Love Peace And Write...
Kisses Lovewriters...

Next em Vizinho Perfeito - Águas Profundas

Olá pessoal,
Já publiquei Inevitável onde podemos ver que Ash é apenas uma rapariga atrás de William e que os pais dele e de Eve se conhecem de algum lado. ---> Ver Aqui 
Na próxima parte Eve, Julie e Marie relaxam um pouco na piscina quando William aparece com os seus melhores amigos, mas algo estranho vai acontecer entre eles... Eve pergunta-se se devia ou não contar ao William sobre o post-it, será que ela vai contar?
Águas Profundas é a quarta parte que será publicado depois de Pressão de One Day.
Espero que estejam a gostar, não se esqueçam de votar, se estão a gostar ou não de Vizinho Perfeito.
Love Peace and Write
Kisses Lovewriters

Inevitável, Vizinho Perfeito

3º Parte 
Não esperava sonhar com ele, muito menos com ele a me beijar no meio de um concerto dos Lords, fora tão real mas então os gritos começaram e a ultima coisa que me lembro foi Ash dar-me uma estalada na cara me fazendo acordar. Eu respirei fundo confusa, sentindo o meu coração a bater rápido. Passei a mão pela testa sentindo que estava a suar, respirando fundo. Oh deus! Porque é que eu tinha que sonhar com ele? Porque ele? 
Desde que chegara ontem do café, ignorara o William que se apressou a falar comigo mas eu fechei as cortinas enquanto o meu telemóvel tocava sempre que ele me mandava sms ou me telefonava, estava a ser demais, eu ter que ignorar o telemóvel. Eu não conseguia parar de pensar no que Ash dissera, por isso fiz o máximo para ignora-lo e manter as cortinas fechadas. 
Mas assim que me sentei vi que eram 6 da manha, fiquei confusa, nunca acordara assim tão cedo. De repente ouvi gritos e sobressaltei-me saindo da cama confusa, fiquei parada a olhar para as cortinas fechadas, tentando ouvir. De seguida ouvi um estrondo e alguém a gritar, peguei no comando e abri as cortinas e acendi as luzes, ainda estava luz lá fora, e vi que algo estava errado, olhei para baixo e vi que a vedação da minha casa que separava a minha casa da do William estava caída. Não compreendi o que se estava a passar até olhar para o jardim onde vi o meu pai a discutir com uma senhora pequena de cabelos ruivos, parecia uma discussão acesa, e reconheci-a sabendo que ela era a mãe de William, ambos estavam a discutir aos berros e eu não conseguia ouvir para saber o que estava a se passar. Olhei confusa para o quarto do William e vi que ele estava a observar aquilo confuso, mesmo a minha frente, ele olhou para mim preocupado mas encolheu os ombros, como se tivesse a responder a pergunta no meu olhar de que não sabia o que estava a acontecer. 
Ouvi uma porta a se abrir e vi um homem, que devia de ser o pai de William ir ter com o meu pai discutindo parecendo furioso afastando o da mãe de William. Vendo que o meu pai estava a ficar furioso peguei no robe que estava no meu sofá e sai do quarto descendo para o jardim das traseiras, vendo que eles estavam a quase a se agredirem enquanto a mãe de William tentava os afastar, eu só tive tempo de reparar que estava um ramo perto deles caído sobre a cerca caída, antes de correr para segurar o punho do meu pai que estava prestes a bater nele. 
- Eu avisei para cortarem o ramo! - Exclamou olhando para a mãe de William com ódio. - Larga-me Eve.
- Parem, por favor! - Exclamei admirada.
Admirada olhei para ela afastando-me vendo que o meu pai estava quieto. Ela era ruiva com olhos azuis e alta muito bonita, fiquei surpreendida ao ver que olhava para o meu pai com ódio. Wow, eles nem se conheciam porque raio estavam a olhar-se assim?
- Olha lá e eu já disse que a culpa não é dela por você ter a cerca mesmo em baixo da árvore! - Disse irritado o pai de William, que era um homem magro e parecia estar na meia idade. - E eu também não tenho culpa de você não fazer as coisas direitas, afinal até tem que esconder a sua própria filha! 
Isso foi a gota de água, o meu pai deu-lhe um murro que me fez saltar e tentar separa-los. Mas esse foi o meu erro, sem saber de onde veio levei com um murro na cara do pai de William, ouvi-os a prender a respiração enquanto alguém me agarrava abraçando-me puxando-me para longe deles, sentindo me tonta e cheia de dor mas pelo que senti sabia que era William, ele puxou-me para ele segurando-me perto dele. Eu olhei para o meu pai e para o dele, enquanto sentia o maxilar dorido, eles estavam a ser separados pela mãe de William. William ao ver que eu estava bem o suficiente quieta, olhou-me dando um aviso para ficar e correu pegando no meu pai, que tentava chegar ao pai dele. 
- Nunca mais tocas nela! - Exclamou o meu pai parecendo furioso a tentar afastar o William que o segurou para que ele não o atacasse. Deus, ele tinha uma força impressionante, pensei vendo os músculos do William pela t-shirt. - Seu filho da mãe!
A mãe de William agarrou no pai dele e levou-o para dentro da casa, ela olhou para mim e deu-me um sorriso de desculpas e entrou na porta das traseiras sem olhar para trás com o pai de William a resmungar. Eu olhei para o meu pai que estava agora a falar com o William parecendo irritado e William parecia apenas tranquilo mas eu podia ver que ele estava tenso nos ombros. 
- Pai, vai para dentro, eu estou bem! - Exclamei e ele olhou para mim triste sem vida nos seus olhos e baixou os ombros e entrou na casa afastando-se de William que o observou a entrar na cozinha. 
Só quando a porta se fechou é que o William se virou para mim preocupado, ele caminhou até mim e pegou no meu rosto com cuidado para que não me magoasse no queixo. 
- O teu pai tem um gancho impressionante - murmurei custando-me falar um pouco. 
- Nunca te ensinaram para não te meteres numa luta? - Perguntou-me parecendo aborrecido. 
- Ei! O que querias que eu fizesse? - Perguntei irritada enquanto ele passava mão pelo meu rosto que estava a latejar. - Que eu visse o meu pai levar do teu pai?
Vi que o William estava tenso e assim que ele falou do seu pai ficou com o maxilar duro, vendo os seus olhos estavam duros sem expressão. 
- Aquele não é o meu pai - disse parecendo ainda mais aborrecido. - Aquele é o namorado da minha mãe! Namoram a um ano. 
Eu observei-o enquanto ele parecia demasiado concentrado no meu rosto passando a mão pelo meu rosto, eu podia ver que ele estava a se tentar controlar. Eu agarrei a sua mão vendo que ele estava a evitar olhar-me nos olhos.
- William, o que se passa? - Perguntei preocupada.
- Eu não acredito que aquele filho da puta te magoou- disse entre dentes chocando-me. 
Eu respirei fundo enquanto ele apertava a minha mão tentando se controlar, e deu-me um olhar preocupado e então puxou-me para ele abraçando-me apertado. Eu deixei-me ficar ainda a sentir um pouco o maxilar a latejar, e enquanto ele me abraçava eu relaxei sentindo o seu coração a bater rápido contra o meu peito, eu tremi quando ele passou a mão pelo meu pescoço e afastou o meu cabelo, passando os dedos por ele, com cuidado para não me puxar o cabelo. Ele suspirou e então colocou o seu rosto no meu pescoço, sussurrando algo que eu não consegui perceber. 
- Porque é que me ignoraste ontem? - Perguntou-me afastando-se olhando-me agora curioso. - Eu não parei de te ligar e mandar sms? Fiz algo que não devia?
Afastei-me dos seus braços e olhei para a minha casa e bufei passando a mão pelo meu cabelo. 
- Não, não fizeste nada - disse passando a mão pelo meu cabelo respirando fundo. 
- Espera ai, ignoraste por causa da Ash? - Perguntou-me rindo levemente. 
Eu corei e bufei o que fez com que ele risse as gargalhadas. 
- Não, não foi, eu apenas estava cansada - disse e olhei para ele irritada. 
Ele parou de rir e engoliu em seco parecendo agora um pouco com medo, respirando fundo, eu sorri levemente mas gemi de dor. Ele passou de novo a mão pela minha cara e então pressionou apenas um pouco, que me fez doer um pouco. 
- Vais ficar com o rosto um pouco marcado, Eve, mas vais ficar bem. - Disse aproximando-se para mim. 
- William... - sussurrei recuando um passo - é melhor afastares-te de mim...
- O quê? - Perguntou espantado. 
- Eve, casa, já! - Exclamou o meu pai da casa. 
- Xau, William.
Antes que o William me alcançasse virei-me para casa vendo o meu pai a olhar desconfiado para nós os dois. Eu acenei para que ele não se preocupasse e ele entrou na cozinha. William  agarrou a minha mão e puxou-me para ele. 
- Eve, porque é que estás a pedir isso? - Perguntou-me preocupado. 
- Porque achas, Liam? - Perguntei irritada. - A tua namorada fez parecer bem claro o que acontecera se eu continuasse a falar contigo. 
Arranquei a minha mão da sua mão e afastei-me entrando em casa, o meu pai estava a minha espera, ele deu-me um saco com gelo e olhou-me parecendo culpado.
- Porque é que te meteste? - Perguntou-me parecendo com remorsos.
- Ia deixar que ela loucura continuasse? Estás louco? - Perguntei-lhe irritado. - O que raio foi aquilo, pai? Porque é que olhaste para a mãe do William assim? Porque é que a odeias?
O meu pai ficou estático a olhar para mim, eu nunca lhe gritei nem muito menos fiz birra mas o que se passara lá fora, fora completamente louco! Ele desviou o olhar e parecia ficar pálido e no olhar vi o seu olhar ficar repleto de dor.
- Pai? O que se passou? - Perguntei espantada ao ver que ele estava assim.
Coloquei a mão no seu ombro para ver se ele saia daquele transe mas a única coisa que fez foi tossir e sorrir como se fosse um robô,como se tivesse no modo automático.
- Põe o gelo na cara, eu vou ter que ir trabalhar - disse e antes de mesmo olhar-me nos olhos virou-se saindo da cozinha rapidamente indo para o quarto fechando a porta com força.
Eu fiquei parada a olhar para a porta durante algum tempo. O que raio estava a se passar com o meu pai? Porque é que ele reagira assim? Coloquei o gelo no maxilar e foi para cima para o meu quarto, assim que entrei William estava parado na janela e com as mãos nos bolsos da calça e olhava-me ansioso. Mas o que me chamou a atenção, não foi ele foi o que estava na janela, ele tinha colocado em papeis letras, a dizer desculpa. Eu não evitei sorrir, e ri-me de seguida ao vê-lo sorrir aliviado.
Entrei na casa de banho de seguida quando ele se virou para secretaria, eu olhei-me no espelho tinha o maxilar um pouco inchado. Mas não tinha nódoa negra. Graças a deus! Mas não pude deixar de pensar no que o homem me fez, e como William me tirara logo dali.
Foi ao meu armário e tirei um fato de treino, olhei para o quarto de William e vi que ele não estava no quarto. Algo me dizia que ele estava a falar com a mãe sobre o que se passara. Eu suspirei e entrei na casa de banho, e vesti-me rapidamente. Assim que apertei as sapatilhas sai da casa de banho, William não estava lá mas também isso era bom sinal. Pôs os auriculares e desci bebi um pouco de água e indo para a cozinha, reparei que não havia sinais do meu pai em lado nenhum, peguei na minha mala de cintura e coloquei uma garrafa de água antes de sair de casa, a primeira coisa que reparei que o carro do meu pai já não estava na entrada da casa e que estava a começar a ficar o dia alto. Eu aqueci rapidamente e comecei a correr indo em direcção ao parque, estranhei ao inicio não haver ninguém praticamente  e fiquei com medo que algum maluco estivesse a dar uma volta, mas eu também sabia me defender... ou pelo menos correr.
Quando cheguei o parque ouvi que alguém estava a chamar-me, parei e olhei para trás vendo o William a correr na minha direcção.
- William o que raio estás aqui a fazer?
- Bem, já que não falas comigo, eu vou correr contigo - disse sorrindo levemente.
Ele estava com uma camisola de alças azul e uns calções largos com umas sapatilhas brancas ele saltou praticamente até mim. Eu não consegui manter-me seria e sorri para ele quando ele parou a minha frente.
- Podes-me explicar o que Ash te disse? - Perguntou-me olhando-me. - Eu não sou mesmo o seu namorado, ela beijou-me sem eu mesmo esperar, eu nem pode desvia-la!
- A serio? - Perguntei desconfiada.
- Ela bem que tentou durante meses ter alguma coisa comigo, mas eu não quis nem quero, Eve! - Exclamou dando-me um aceno para corrermos.
Eu comecei a correr ao seu lado e ele ajustou-se ao meu ritmo.
- Porque não? - Perguntei olhando-o de canto. - Afinal, ela as vezes está na tua casa e bem ela parece bonita.
- E superficial e interesseira.Eu na verdade tenho o meu coração noutro lugar neste momento - disse desviando o olhar de mim corando.
- Pois, o futebol - Disse dando meio sorriso.
Ele não disse nada apenas olhou para mim. Eu corei. O que é que eu disse?
- Porque é que tens aulas em casa? - Perguntou-me olhando-me curioso parecendo querer desviar o assunto.
- Porque é não gostas do namorado da tua mãe? - Perguntei curiosa não querendo responder.
Ele abrandou e olhou para mim fazendo-me parar e olhar para ele.
- Porque o meu pai morreu... e eu quero que ela seja feliz, e aquele... gajo, não é o suficiente bom para ela. A minha mãe depois do que se passou expulsou-o de casa.
- Oh! Desculpa, se eu não tivesse-me colocado...
- Eve! Por favor! Ele bateu-te, ele teve tempo suficiente para se parar mas ele não parou! - Exclamou e então parou e com as mãos em punho.
Eu parei um pouco a frente, estávamos agora a beira da fonte do parque. Ele olhou-me e parecia quase como se visse a minha alma arrepiei-me e coloquei uma mão no seu ombro.
- Como é ele morreu? - Perguntei olhando-o com pena.
- Atropelamento - disse e tentou relaxar. - Tinhas uns 7 anos quando isso aconteceu.
- Lamento - murmurei.
Ele acenou relaxando e começamos a correr, demos a volta ao parque e voltamos para casa quando chegamos a minha casa paramos e bebemos água. Ele olhou-me pensativo. Fogo, ele nem estava a suar, nem parecia cansado!
- Por favor, Eve! Não te afastes de mim. A Ash, ela está a tentar algo comigo mas eu não quero nada com ela! - Exclamou olhando-me com medo.
- Porque não?
- Ela não é rapariga que me roubou o coração...
- Oh meu deus! Que romântico! - Exclamei rindo. - Ela é uma rapariga de sorte então.
- Ela é, só que não fazia ideia que eu existia. - Disse rindo.
- Ela então é cega! - Exclamei olhando para o seu corpo.
Ele riu-se e colocou a mão no meu maxilar que me estava dorido. Ele percorreu o polegar pelo meu queixo, eu estremeci enquanto ele se aproximava até mim, me fazendo estremecer, olhei para os seus olhos castanhos e estremeci ao ver o seu brilho nele.
- Doí? - Perguntou-me olhando-me preocupado.
Eu acenei um pouco para que não perdesse o contacto da sua mão. Eu respirei fundo, quando o vi a inclinar-se para mim, aproximando-se ficando com o rosto perto do meu, ele olhou para os meus lábios e engoliu em seco. Ele ia me beijar! Recuei e ele baixou a mão.
- Eu não vou me afastar de ti, Liam - disse sorrindo levemente.
Ele sorriu envergonhado e obviamente sem saber o que fazer. Eu respirei fundo e olhei para ele nós olhos.
- Apenas não digas a Ash ou ela faz a vida negra a Marie e a Julie na escola - disse revirando os olhos.
- Ah, já sei - disse também revirando os olhos. - Não te preocupes eu protejo-as. E se eu não for já para casa eu vou chegar atrasado as aulas. Vais me falar hoje certo?
Ele segurou a minha mão e apertou levemente olhando-me nos olhos.
- Claro - murmurei e desviei o olhar quando ele deu um sorriso de orelha a orelha.
Ele deu-me um beijo na testa e correu para casa deixando-me estática a olhar para ele enquanto ele ia para casa a correr.
- Adeus Eve!
- Adeus Liam!
Ele entrou em casa e eu fiquei ainda assim parada a olhar. Tudo mudara! Antes de ontem, tinha apenas duas amigas e uma casa normal, com escola na casa, nada mais, agora o meu vizinho era o meu melhor amigo, tinha uma inimiga e o meu pai pelos vistos odiava a mãe de Liam. O que raio se passou?
Não sei porque mas comecei a rir as gargalhadas enquanto ia para casa, aquele rapaz estava a me a colocar a minha vida de pernas para o ar e eu nem sabia o que fazer. Subi as escadas para a porta e reparei num post-it amarelo com uma caligrafia elegante, eu peguei nele e fique espantada quando li.
Afasta-te do meu filho e da minha família, James, eu não quero voltar a repetir! E diz a tua filha para parar de falar com o meu filho! Deixa o passado como está, não há maneira de altera-lo! Maggie.
 Fiquei de boca aberta a olhar para o bilhete antes de entrar em casa. O que raio se passara entre o meu pai e a mãe dele? Eu teria que perguntar ao Liam se ele sabia, mas algo me dizia que ele não fazia ideia.


Continua...
1º parte - O Rapaz Da Casa Ao Lado - Ver Aqui
2º Parte - Nem Tudo É Perfeito - Ver Aqui
4º Parte - Águas Profundas - que será depois de Pressão do conto One Day
Love Peace and Write
Kisses Lovewriters


terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Buzzcut Season - Lorde


Half Heart - One Direction


Letras 

Então, seus amigos andam me dizendo
Que você anda dormindo com a minha camisola
E que você não consegue parar de sentir a minha falta

Mas meus amigos andam te dizendo
Que eu não estou muito melhor
Porque eu estou sentindo falta de metade de mim

E estar aqui sem você é como se eu acordasse para

Apenas metade do céu azul
Parte lá, mas não inteiramente
Estou andando por aí com só um sapato
Sou metade de um coração sem você

Na melhor das hipóteses, sou metade de um homem
Com metade de uma flecha no meu peito
Sinto falta de tudo que fazíamos
Sou metade de um coração sem você

Esqueça tudo o que dissemos aquela noite
Não, isso nem mesmo importa
Porque nós dois fomos partidos ao meio

Se você tiver uma hora livre ou algo assim
Podemos almoçar na beira do rio
Podemos realmente conversar sobre isso

E estar aqui sem você é como se eu acordasse para

Apenas metade do céu azul
Parte lá, mas não inteiramente
Estou andando por aí com só um sapato
Sou metade de um coração sem você

Na melhor das hipóteses, sou metade de um homem
Com metade de uma flecha no meu peito
Sinto falta de tudo que fazíamos
Sou metade de um coração sem você

Metade de um coração sem você
Metade de um coração sem você

Embora eu tente tirar você da minha cabeça
A verdade é que me perco sem você
E desde então eu fui acordando para

Apenas metade do céu azul
Parte lá, mas não inteiramente
Estou andando por aí com só um sapato
Sou metade de um coração sem você

Na melhor das hipóteses, sou metade de um homem
Com metade de uma flecha no meu peito
Sinto falta de tudo que fazíamos
Sou metade de um coração sem você

Sem você, sem você
Metade de um coração sem você
Sem você, sem você
Metade de um coração sem você

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

domingo, 16 de fevereiro de 2014

John Legend - All Of Me


Letras 

Tudo de Mim
O que eu faria sem a sua boca inteligente
Puxando-me pra dentro, e me chutando para fora
Tenho a minha cabeça girando, sem brincadeira, eu não posso te prender
O que está acontecendo naquela mente bonita?
Estou em sua jornada misteriosa e mágica
E eu estou tão tonto, não sei o que me atingiu, mas eu vou ficar bem

Minha cabeça está debaixo de água
Mas eu estou respirando bem
Você está louca e eu estou perdido

Porque tudo de mim
Ama tudo em você
Amo suas curvas e todas as suas arestas
Todas as suas imperfeições perfeitas
Dê o seu melhor para mim
Vou dar tudo de mim para você
Você é o meu fim e meu começo
Mesmo quando eu perder estarei ganhando
Porque eu te darei tudo, tudo de mim
E você me dá tudo, tudo de você

Quantas vezes eu tenho que te dizer
Mesmo quando você está chorando você é linda demais
O mundo está nocauteando você, eu estou por perto vendo cada movimento
Você é minha queda, você é minha musa
Minha pior distração, meu ritmo e minha melodia
Eu não posso parar de cantar, está tocando, eu a minha mente em você

Minha cabeça está debaixo de água
Mas eu estou respirando bem
Você está louca e eu estou perdido

Porque tudo de mim
Ama tudo em você
Amo suas curvas e todas as suas arestas
Todas as suas imperfeições perfeitas
Dê o seu melhor para mim
Vou dar tudo de mim para você
Você é o meu fim e meu começo
Mesmo quando eu perder estarei ganhando
Porque eu te dou tudo de mim
E você me dá tudo, tudo de você

Cartas na mesa, nós dois estamos mostrando corações
Arriscando tudo, embora seja difícil

Porque tudo de mim
Ama tudo em você
Amo suas curvas e todas as suas arestas
Todas as suas imperfeições perfeitas
Dê o seu melhor para mim
Vou dar tudo de mim para você
Você é o meu fim e meu começo
Mesmo quando eu perder estarei ganhando
Porque eu te dou tudo de mim
E você me dá tudo, tudo de você

Eu lhe dou tudo, tudo de mim
E você me dá tudo, tudo de você

Jennifer Hudson - I Can't Describe (The Way I Feel) ft. T.I.


Cover - Taylor Swift, Safe & Sound de Megan Nicole e Tiffany Alvord


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

What The Hell!?

Olá pessoal, 
como disse no dia 6, o meu blog conseguiu cerca de 6000 visualizações! --> Ver Aqui
E eu não estava a espera que em cerca de poucos dias passasse a 7000 mas aconteceu e isso normalmente acontece passado um mês!!!!!!!!!! Por isso foi um momento daqueles tipo yehhhh!

Mensagem!!!!!!!!!!!!!!!!


Ola pessoal!
eu quero pedir uma coisa... quero que vocês estejam livres de me dar sugestões do que querem ver na minha pagina e no meu blog... se querem mais historias... se querem mais musicas... mais frases ou até sugestões de livros! Mandem a vossa mensagem para a pagina ou para o blog...
http://redroselovepeaceandwrite.blogspot.pt/
Love Peace and Write
Lovewriters

P.S: I Love You - Cecelia Ahern

Olá pessoal,
para aqueles que estão apaixonados recomendo este filme. P.S: I Love You, é emocionante e inspirados não desistem de ser felizes!

Sipnose: 
Quase todas as noites Holly e Gerry tinham a mesma discussão - qual dos dois se ia levantar da cama e voltar tacteando pateticamente o caminho de regresso ao apetecível leito? Comprar um candeeiro de mesa-de-cabeceira parecia não fazer parte dos planos, e assim o episódio da luz repetia-se a cada noite, num rito conjugal de pendor cómico a que nenhum desejava pôr termo. Agora, ao recordar esses momentos de pura felicidade, Holly sentia-se perdida sem Gerry. Simplesmente não sabia viver sem ele. Mas ele sabia-o, conhecia-a demasiado bem para a deixar no mundo sozinha e sem rumo. Por isso, imaginou uma forma de perpetuar ainda por algum tempo a sua presença junto da mulher, incentivando-a a viver de novo. Mas como se sobrevive à perda de um grande amor? Holly ter-nos-ia respondido: não se sobrevive! Mas Holly sobreviveu!

Comprar o livro:
Wook

Última Carta:
Querida Holly, Eu não tenho muito tempo, não digo literalmente é que você foi comprar sorvete e vai voltar logo! Mas tenho a impressão de que é a última carta porque só resta uma coisa pra dizer, não é para se lembrar sempre de mim ou comprar um abajur, você pode se cuidar sem a minha ajuda, é para dizer como você mexeu comigo, como você me ajudou me amando, você fez de mim um homen, Holly, e por isso eu sou eternamente grato, literalmente. Se pode me prometer alguma coisa, prometa que sempre que se sentir triste ou insegura ou perder completamente a fé vai tentar olhar para si mesma com meus olhos. Obrigado pela honra de ter você como esposa, eu não tenho o que lamentar, tive muita sorte. Você foi a minha vida Holly, mas eu sou apenas um capítulo da sua, haverá mais eu prometo portanto aqui vai o meu grande conselho: não tenha medo de se apaixonar de novo, fique atenta àquele sinal de que não haverá mais nada igual.
P.S. Eu sempre vou te amar.
(P.S. Eu Te Amo)

Filme:
Love Peace and Write
Kisses Lovewriters

Feliz São Valentim ---- Ours - Taylor Swift

Feliz São Valentim e está musica é perfeita....


Letras

Botões de elevador e ar da manhã
O silêncio dos estranhos me faz querer ir pelas escadas
Se você estivesse aqui nós riríamos dos olhares vagos deles
Mas agora, meu tempo é deles

Parece que há sempre alguém que desaprova
Eles vão julgar como se eles soubessem algo sobre eu e você
E o veredicto vem daqueles que não tem mais nada o que fazer
O júri está dispensado, mas a minha escolha é você

Então não esquente a cabeça
As pessoas jogam pedras em coisas que brilham
E a vida faz o amor parecer difícil
Os riscos são grandes
As águas agitadas
Mas esse amor é nosso

Você nunca sabe o que as pessoas escondem
Os fantasmas de seu passado vão saltar em mim
À espreita nas sombras com seus sorrisos com gloss
Mas eu não me importo, porque agora você é meu
E você vai dizer...

Então não esquente a cabeça
As pessoas jogam pedras em coisas que brilham
E a vida faz o amor parecer difícil
Os riscos são grandes
As águas agitadas
Mas esse amor é nosso

E eles não tem que especular se isto está errado e
Suas mãos são difíceis mas são onde as minhas pertencem
Eu vou lutar contra a desconfiança deles e te dar fé
Com essa música para você

Porque eu amo o espaço entre os seus dentes
E eu amo os enigmas que você fala
E e quaisquer comentários maliciosos de meu pai sobre suas tatuagens
Serão ignorados por que meu coração é seu

Então não esquente a cabeça
As pessoas jogam pedras em coisas que brilham
E a vida faz o amor parecer difícil
Então não esquente a cabeça
As pessoas jogam pedras em coisas que brilham
Mas eles não podem tirar o que é nosso
Eles não podem pegar o que é nosso
Os riscos são grandes
As águas agitadas
Mas esse amor é nosso

Taylor Swift - Safe & Sound


Letras

Eu lembro das lágrimas escorrendo pelo seu rosto
Quando eu disse que nunca deixaria você ir
Quando todas aquelas sombras quase mataram sua luz
Eu lembro de você dizer não me deixe aqui sozinho
Mas tudo isso está morto e enterrado e hoje à noite passou.

Apenas feche seus olhos
O sol está se pondo
Você vai ficar bem
Ninguém pode feri-lo agora
Venha luz da manhã
Você e eu vamos estar são e salvos

Não se atreva a olhar pela janela
Querido, tudo está pegando fogo
A guerra à nossa porta continua
Segure-se a esta canção de ninar mesmo quando a música se for, se for.

Apenas feche seus olhos
O sol está se pondo
Você vai ficar bem
Ninguém pode feri-lo agora
Venha luz da manhã
Você e eu vamos estar são e salvos

Apenas feche seus olhos
Você vai ficar bem
Venha luz da manhã
Você e eu vamos estar são e salvos

Begin Again - Taylor Swift


Letra

Começar de Novo
Eu respirei fundo e me olhei no espelho
Ele não gostava quando eu usava salto alto
Mas eu usava
Eu tranquei a porta e coloquei meus fones de ouvido
Ele sempre dizia que não entendia essa música
Mas eu entendo, eu entendo

Eu entrei esperando que você se atrasasse
Mas você chegou cedo e você se levantou e esperou
Eu caminhei até você.
Você puxou minha cadeira e me ajudou a sentar
Você não sabe o quão gentil isso é
Mas eu sei

E você joga sua cabeça para trás
Rindo feito uma criança
Eu acho estranho o fato de você me achar engraçada porque
Ele não achava
Eu tenho passado os últimos oito meses
Pensando que tudo o que o amor faz
É quebrar, queimar e acabar
Mas em uma quarta-feira, em um café
Eu vi começar de novo

Você disse que nunca conheceu uma garota
Que tem tantos cd’s do james taylor quanto você
Mas eu tenho
Nós contamos histórias e você não sabe
Por que eu começo a ficar tímida
Mas eu sei

Mas você joga sua cabeça para trás
Rindo feito uma criança
Eu acho estranho o fato de você me achar engraçada porque
Ele não achava
Eu tenho passado os últimos oito meses
Pensando que tudo o que o amor faz
É quebrar, queimar e acabar
Mas em uma quarta-feira, em um café
Eu vi começar de novo.

E nós caminhamos pela quadra, até meu carro
Eu quase menciono ele
Mas você começa a falar dos filmes
Que sua família assiste todo natal
E eu quero falar sobre isso
E pela primeira vez
O que passou, passou

Porque você joga sua cabeça para trás
Rindo feito uma criança
Eu acho estranho o fato de você me achar engraçada porque
Ele não achava
Eu tenho passado os últimos oito meses
Pensando que tudo o que o amor faz
É quebrar, queimar e acabar
Então em uma quarta-feira, em um café
Eu vi começar de novo

Então em uma quarta-feira, em um café
Eu vi começar de novo

As vezes não são meras coincidências


Há coisas que mudam, há coisas que acontecem por uma razão. Talvez aquele grande amor não era te destinado mas o que sentias por ele pode significar mais tarde algo importante na tua vida eheheheheh! By: me. For: You

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Audição


A vida é apenas uma audição para o paraíso. No entanto, quando estamos com a pessoa que amamos, estamos no céu!


quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

domingo, 9 de fevereiro de 2014

One Day - Next

Olá pessoal,
next on ---> One Day,  Sara uma rapariga esperta e organizada é escrava na sua própria casa e não tem como sair da sua casa, com duas meias irmãs horríveis, ela tem que arranjar forças para superar cada dia.
Espero que estejam a gostar.
Love Peace And Write.
Kisses Lovewriters.


sábado, 8 de fevereiro de 2014

One Day, Complicações - Isabela

1º Parte
Assim que acordei a primeira coisa que fiz, ainda de pijama, foi atravessar a minha varando para a varanda da minha melhor amiga e bater na janela do seu quarto. Enquanto esperava que ela aparecesse observei a vizinhança. 
A minha casa era uma espécie de cottage antiga. O meu quarto tinha uma varanda onde bastava dar um pequeno salto para passar para a varanda da Cinthya, a minha melhor amiga. E eu adorava a minha casa por isso, além, claro, do seu telhado negro que parecia colmo, com paredes em tijolo vermelha e bege com janelas grandes e uma porta de entrada vermelha com um candeeiro que parecia de óleo antigo e o jardim era um encanto, com roseiras por todo o lado, flores, árvores de flor e fruto e lavanda espalhada. Era como uma casa de campo. 
A casa de Cinthya era mais moderna mas acolhedora, exteriormente, pois ela era quase presa em sua casa. Tinha aulas em casa, raramente saia e o seu quarto ficava no segundo andar e não havia maneira de ela saltar a não ser pela minha varanda. Mas não era por sua escolha mas sim porque os seus pais não permitiam que ela saísse e tivesse vida social. O que eles não sabiam é que eu era sua amiga e desde os meus sete anos que saltava da minha varanda para a dela. 
Ainda me lembrava da primeira vez que falara com Cinthya. Quando era criança ia para a varanda com a minha mãe e punha-me a desenhar enquanto ela me lia uma história. Certo dia não pude de deixar de reparar que mesmo ao lado da minha varanda, na outra casa, dois olhos azuis observavam curiosamente o que estava a acontecer. Mas quando espreitei a rapariga desapareceu para dentro da casa. A minha mãe também reparara e ainda me lembrava do que ela dissera em voz alta para que ela ouvisse. 
- Falta-te aqui uma amiga Isabela, quem sabe tenhamos que ir para dentro para procurar mas assim eu não acabava a história e ninguém ouviria o que irá acontecer. 
Eu e a minha mãe olhamos para o lado e a rapariga de olhos de olhos azuis e loira apareceu mas deixou-se ficar escondida, ouvindo a história que a minha mãe me contava que era a da Bela Adormecida. E na parte que a Aurora se pica na roca uma mulher entrou no quarto de Cinthya e chamou-a para a uma aula de canto e assim a rapariga desapareceu de novo para dentro de casa. 
A minha mãe ao ver que eu estava confusa encolheu os ombros. 
- Nem todas as crianças são criadas da mesma maneira. Não me admira que ela nunca tivesse ouvido um conto de fadas, Isabela – disse-me sorrindo levemente. – A mãe dela não gosta de coisas infantis. 
E continuou a história como se nada tivesse acontecido. Mas eu naquela altura não consegui esquecer. 
Nesse mesmo dia, a noite já ia alta quando sai da cama descalça e peguei no meu livro de contos e sai para a varanda. Pus o livro de contos no parapeito e com a ajuda de um banco ergui-me para ficar em cima do parapeito. Olhei para baixo, as alturas não me assustavam naquela altura, peguei no livro e atirei-o para a outra varanda. Saltei e atirei na outra varanda e bati na janela, saltando do parapeito para o chão. Peguei no livro de contos no momento que ela abria a janela e quase gritou se eu não tivesse tapado a sua boca. 
- Eu vim-te dar isto, esconde da tua mãe se não queres que ela saiba – sussurrei para ela retirando a mão da sua face. 
Ela com os olhos azuis arregalados olhou para a minha varanda e para mim espantada.
- Como é que fizeste isso? – Perguntou sorrindo admirada e com curiosidade.
- Se me dizeres o teu nome e seres minha amiga, eu mostro-te – disse-lhe entregando o livro. 
- Eu chamo-me Cinthya – disse timidamente. 
E a partir dessa noite ficamos amigas, a princípio falávamos apenas de coisas infantis, coisas que eu tinha e ela não. Ela não falava muito de si a principio mas com o passar do tempo, ela começou a contar-me porque estava sempre em casa, porque tinha seis aulas por dia e em pouco tempo ficamos inseparáveis e indetectáveis a família dela. O máximo que ela podia sair era para o jardim, que tinha um muro de 6 metros, por isso nem isso era suportável. 
Suspirei ao lembrar-me e então a janela abriu e Cinthya apareceu. Era uma rapariga alta, de cabelos loiros que iam até a sua cintura, olhos azuis enormes, pele de porcelana, lábios rosas e com as maças do rosto rosadas. Ela estava vestida com umas calças de pijama cinzentas e camisola de manga curta com os pés descalços. E nas suas mãos tinham um tabuleiro com bolinhos de creme caseiros que ela fizera e duas chávenas de leite com chocolate. 
- Bom dia – disse sorrindo completamente acordada. 
As vezes perguntava como é que ela conseguia sorrir? Ela vivia como uma prisioneira na sua própria casa! Mas eu não podia dizer nada, não valia a pena, ela já estava habituada. Sentamo-nos nos sofás que ela pedira a mãe para por na varanda e colocou o tabuleiro no centro de mesa. 
- Sabes que não era preciso fazer o pequeno-almoço para mim? – Perguntei-lhe pegando no copo enquanto me enroscava no sofá ficando com as pernas esticadas. 
- Estou acordada desde as seis da manhã e eu sei que tu não te ias lembrar de comer o pequeno-almoço. Além disso, não causou incómodo nenhum – disse encolhendo os ombros. 
- E achas que não vão ficar a desconfiar quando virem esta loiça suja? – Perguntei preocupada. 
- Sinceramente duvido, acho que eles não reparam e se repararem pensam que é o meu amigo imaginário.
Dei uma gargalhada, não pude evitar. Cinthya era muito optimista e demasiada inocente, mas também a pessoa mais corajosa que eu conhecia. 
- Vais ter aulas hoje? – Perguntei-lhe pegando um bolinho de creme. 
- Não é segunda, vou ficar com o dia livre o que significa que poderei falar contigo através de mensagens virtuais e poderei ler aquele livro que me emprestaste – disse sorrindo entusiasmada. – É melhor do que aturar aquela professora asquerosa. 
Sorri ao ver que ela continuava a não usar o calão e que estava feliz por não ter que aturar uma professora com sotaque francês. As vezes perguntava-me se ela mentalmente via bem as coisas mas então ela diz coisas deste género e eu respirava aliviado. 
- Bem, tens sorte eu vou ter um teste de inglês, mas graças a tu vou ter A de certeza – disse sorrindo mas então calei-me, envergonhada. 
Ela estava numa situação que eu não podia nem queria lamentar da minha situação, mas como sempre Cinthya não se importou. 
- Ah depois conta-me como correu, eu queria era te pedir um grande favor – disse olhando-me por cima do copo sorrindo envergonhada. 
- O que precisas?
- Não é o que preciso é o que quero que me faças – disse pousando o copo. – Já venho. 
Suspirei vendo que, ao ela abrir a janela, o seu quarto era praticamente de senhora, com uma cama de dossel, várias estantes com livros bastante pesados e académicos, uma secretaria arrumada com um enorme computador de última geração e tapetes caros e fofos. Mas eu sabia que por trás de cada livro que estava nas prateleiras ela guardava os livros que lhe dava, os filmes e os meus vários telemóveis antigos para ela usar. 
Ela entrou no quarto e foi directa a uma estante onde tinha várias fotos dela e pequenas esculturas que ela fizera, ela tirou de lá algo e regressou, era uma sacola preta um pouco grande. Ela sentou-se e olhou para mim. 
- Consegui com que me dessem uma máquina fotográfica, disse-lhes que andava aborrecida e que queria me distrair no jardim, eles deram-ma e eu queria que tirasses fotos. Mas se tu não poderes fazer isto não me importo – disse envergonhada alisando a mala. 
Olhei para ela um pouco emocionada, as vezes ela esquecia que eu fazia tudo por ela. 
- Claro que tiro – disse abraçando-a – eu vou tirar fotos a tudo que me aparecer a frente. 
Ela afastou-se e sorriu entregando-me a mala. 
- Vens para cá hoje, ver um filme comigo? – Perguntou-me sorrindo. – Depois das aulas?
- Depois da minha mãe chegar do trabalho – corrigia sorrindo. – Vai começar a trabalhar na mansão hoje e no fim-de-semana vai decorar a mansão para o baile de beneficência. 
Ela olhou automaticamente para a mansão que ficava do outro lado da rua.
Era enorme, com portões de grades grandes o suficiente para uma pessoa não conseguir passar, de detalhes impressionantes, com um jardim bem tratado com um caminho de gravilha e uma fonte no meio. E por entre as árvores podia-se ver a mansão grande e rica. Ela era provavelmente a maior da região, com mais janelas que eu podia contar, com duas espécies de torres, como se fosse uma espécie palácio, mas de resto só se conseguia ver isso. 
A minha mãe desde que me lembrava trabalhava uma a duas semanas na mansão por mês, os restantes dias tratava da contabilidade das empresas do rapaz que la vivia. Era estranho mas também era estranho quem lá vivia. 
A uns anos atrás a família que la vivia, uma família rica com empresas de alto sucesso, sofreram um acidente. Só sobreviveram os seus dois filhos, uma rapariga e um rapaz, mas esse era o mistério. A rapariga desapareceu no acidente e o rapaz que jura que ela foi raptada vive sozinho na mansão desde esse dia e desde esse dia nunca mais saiu da mansão. 
Ninguém que conheceu Jev Knight quando era criança faz alguma ideia de como ele é neste momento. Mesmo a minha mãe não sabia. Havia apenas uma pessoa que ele confiava e era um rapaz chamado Jake. Muita gente se perguntava se ele realmente estava vivo mas como ele continuava (mesmo sendo apenas um rapaz de 20 anos) a gerir as empresas da família, ninguém o incomodava.
Só uma vez por ano é que ele “dava” a cara, ele fazia um baile de beneficência, onde o tema era sempre um baile de mascaras e ele aparecia com uma mascara e leiloava algumas coisas por uma boa instituição. 
Ele fazia estes bailes desde os seus 17 anos de idade e este seria o seu quarto, tanto eu como Cinthya gostaríamos de ir lá, numa espécie de conto de fadas, Romeu e Julieta. Mas mesmo antes disso ela fascinava-se com a mansão. 
- Como será a mansão por dentro? – Perguntou-me olhando curiosa. 
- Um autentico paraíso, aposto, não sei nunca a minha mãe me levou. Vou ter que ir – disse levantando-me com a mala de tiracolo posta e subi o parapeito e saltei para a minha varanda. 
Olhei para ela, vendo que ela sorria para mim com o tabuleiro na mão, acenei-lhe antes de entrar no meu quarto. Tirei o saco e coloquei-o na minha cama. A minha cama era de solteiro, tinha duas mesas-de-cabeceira, um armário, uma secretaria desarrumada, roupas espalhadas e uma estante cheia de livros e ao contrário do quarto de Cinthya o meu quarto tinha cores garridas.
Vesti-me, com uma camisola azul de manga curta e umas calças de ganga azuis e umas sapatilhas pretas, coloquei a minha mochila as costas e a mala da máquina a tiracolo, sai do quarto, estava a passar pelo Hall perto da cozinha quando ouvi um tossir. 
Virei-me e entrei na pequena mas acolhedora cozinha vermelha e preta, a minha mãe estava a preparar algo no fogão e tinha uma manta nos ombros e tinha o nariz vermelho. Eu era bastante diferente dela, ela tinha cabelo ruivo e olhos verdes e muito morena, eu era morena e um pouco pálida, com olhos castanhos e mais baixa que ela. 
- O que tens? – Perguntei preocupada olhando para ela. 
- Estou bem – disse mas eu mal consegui ouvir, ela estava quase afónica. – Só um pouco mal disposta. 
- Estás doente, mãe – disse aproximando-me dela pondo uma mão na sua testa vendo que ela estava a ferver. 
Ela afastou a minha mão e serviu-se de café. 
- Não, não estou. Não posso estar, não nesta semana, preciso do dinheiro que Jev me dá nesta semana, Isabela. Eu preciso deste dinheiro para pagar as despesas da tua escola – disse-me enquanto mexia o café. 
- Tenho certeza que se contares ao Jev o que se está a passar ele poderá arranjar outra pessoa para arranjar a mansão – disse-lhe. – Mas tu estás doente, não podes ir. 
- Não, esta semana não posso falhar, é o baile, ele não pode adiar – disse a minha mãe nervosa. 
- Ele não tem o Jake? Ele que arranje alguém ou que prepare ele próprio. Diz-lhe que estás doente, ele é obrigado a pagar-te. 
- Tu não percebes Isabela, ele pagou-te a escola a um ano atrás e eu ando a receber mais que o salario mínimo, mas nós temos dividas, que ainda estão por pagar. A está altura do ano com o baile ele paga-me o triplo para que esteja perfeito com esse dinheiro conseguiria pagar-te a escola e pagar um pouco da divida. E ele já anda desconfiado que eu preciso de dinheiro. Não posso aceitar mais ajuda. 
Suspirei admirada e olhei para as caixas que ela usava para as limpezas e para o baile, a minha mãe era decoradora de casas mas perdera tudo e ganhara em troca dividas. Sim, ela precisava daquele baile. 
- Eu vou – disse – eu faço o trabalho. Telefona ao Jake, conta-lhe o que se passam diz-lhe para não contar ao Jev, por favor, faz isso, estás doente, eu faço isto, eu trabalho por ti, quando chegar a casa eu vou directa para lá e faz uma lista de indicações sobre o preciso de fazer lá. 
Ela olhou para mim e reparou que eu estava determinada. 
- Eu não sei como ele vai reagir mas eu farei, mas por favor segue o que te dizer a risca, meu amor. Ele confia em mim, se descobre… não sei como ele ira reagir. 
- Terei cuidado mas agora tenho que ir para as aulas. Adoro-te. 
- Também te adoro, Isabela – disse de volta sorrindo levemente.
Love Peace And Write
Kisses Lovewrite



Nova Historia - One Day

Olá pessoal, 
hoje estive a ver os meus antigos contos que andei a escrevi e encontrei está historia que vou publicar no blog espero que gostem. Eu vou publica-la de vez em quando, para que 

Era uma vez, quatro raparigas com sonhos e ilusões. De famílias diferentes os seus destinos se cruzam. 
Todos nós conhecemos a história da Branca de Neve, da Cinderela, da Bela e o Monstro e de Rapunzel. No nosso íntimo todos nós gostávamos de ter um final feliz como elas. Para lá chegar, estás raparigas passaram por muitas dificuldades. 
A Branca de Neve teve que passar por uma madrasta má, comer uma maça envenenada para encontrar o verdadeiro amor. A Cinderela teve que ser escrava na sua própria casa, ir a um baile a escondidas para encontrar o verdadeiro amor. A Bela teve que ser presa numa mansão, conhecer um monstro para encontrar o seu verdadeiro amor. A Rapunzel teve presa numa torre e teve que viver isolada para encontrar o seu verdadeiro amor.
É claro que isto não passa de contos de fadas… mas para Isabela, Cinthya, Sara e Mary os contos de fadas são o espelho das suas realidades. 
Love Peace and Write
Kisses Lovewriters.