Desentendidos

6º Parte
Clary
Estávamos a ir em direcção a Toledo, Luck estava ao meu lado a ouvir musicas e a olhar-me de canto. Eu estava a tentar não reparar nele, mas era quase impossível, com tudo o que se passara entre ele e a Marise eu duvida que podia ajudar e sabia que ele estava a procura de desabafar comigo, mas eu não conseguia. Havia algo a mudar entre todos nós. Só repara hoje de manhã no pequeno-almoço, mas os sinais estavam a vista desde o inicio. 
Ver Nora enfrentar aquela rapariga sem se encolher, sem medo, por Taylor foi algo que nós deixou a todos de boca aberta, principalmente a nós as raparigas que conhecíamos Nora desde a anos e sabíamos o que se passara com ela. Ela sentia-se confortável com Taylor e na opinião dos rapazes ele também estava a confiar nela o que pelos vistos era raro. E depois daquela chapada que Nora levou, ver Taylor praticamente a arrastar Nora para fora do hotel. Eu foi a primeira a me levantar e saber se ela estava bem e quando entrei no autocarro reparei que Taylor e Nora estavam demasiado próximos um do outro. 
Aurya parecia encantada com Nathan, pela maneira como estava a a tratar-la parecia que algo estava prestes a acontecer com os dois. E Anya parecia infeliz por ver o seu primeiro amor e deixa-lo pela segunda vez. E Luck e Marise tinha uma relação tão estranha, principalmente por ela ser lésbica.
Eu estava a observar a paisagem, não devíamos de estar longe de Toledo quando o meu telemóvel tocou. Era Niall, eu atendi.
- Olá - cumprimentei tentando não me sentir culpado por não lhe responder a nenhuma das suas mensagens.
- Clary, porque é que não respondeste a nenhuma das minhas mensagens eu tive quase para me meter no carro e ir saber de ti! Estás a evitar-me? - Perguntou demasiado alto.
Luck ao meu lado olhou-me preocupado e tirou os auscultadores dos ouvidos.
- Achas? Eu não estou a evitar-te... - disse e suspirei, a quem é que eu estou enganar? Eu estava a evita-lo... Eu falara de Luck mas também estava acorrentada. - Eu acho que precisamos de tempo.
- Estás a acabar comigo? - Perguntou com a voz rouca e desesperada. - É por estarmos longe um do outro? Conheceste alguém?
Olhei para Luck que me olhava preocupado. Sim, de facto tinha conhecido alguém, mas não sabia o que pensar dele.
- Eu vou para Toledo, tu não podes acabar comigo, Clary.
- Pará! Eu não estou a acabar contigo, eu só quero espaço para pensar. - Disse e me amaldiçoei por estar a mentir e estar a adiar o inevitável.
- Pensar sobre o quê? - Perguntou-me ainda com a voz esquisita. - Não me amas?
- Eu... amo, mas eu preciso de tempo para pensar sobre mim, okay? Não faças nada estúpido, por favor. Não venhas para cá.
Houve um silêncio do outro lado da linha e um suspiro.
- Apenas quando tiveres certezas de algo diz-me, eu quero ter a oportunidade de te provar que sou o rapaz dos teus sonhos, tu não vais me deixar.
E dito isto, ele desligou. Eu afastei o telemóvel, e olhei para ele. Senti a minha garganta se fechar e um vazio a se preencher de culpa e tristeza, Luck ao meu lado se apercebeu das minhas emoções e abraçou-me apertado. Eu coloquei a minha cabeça no seu peito e esforcei-me para acalmar.
- Calma, rapariga - disse ao meu ouvido. - O que se passa? É sobre o Niall.
- Ele... ligou-me agora mesmo - disse respirando fundo.
- E tu pediste um tempo?
- Sim, mas ele disse que nunca vai-me deixar, eu não sei o que vou decidir mas se ele continuar assim, eu vou ter que terminar com ele.
- Talvez seja melhor assim.
Eu afastei-me dele e olhei-o, sem pensar estávamos demasiado perto um do outro e sem pensar avancei, beijando-o, ele ficou surpreendido por um segundo mas de seguida segurou o meu queixo e me aproximou dele, acariciando os meus cabelos descendo até a cintura, o meu coração bateu mais rápido e eu não conseguia acreditar no que se passara. E então demasiado cedo, ele afastou-se encostando a sua testa a minha, ambos estávamos a respirar com dificuldade.
- Devias de te afastar de mim - murmurou lentamente.
Eu afastei-me e olhei para ele, ele estava corado a olhar-me cauteloso com um monte de emoções no seu olhar. De repente me senti demasiado fechada, levantei-me e ele afastou-se para eu passar e entrei no corredor, vi que Nora estava sozinha no seu lugar e que Taylor estava no corredor a falar com Nathan, foi para o banco dela. Ela estava a ver os desenhos de Taylor quando me sentei ela olhou para mim e sorriu antes de se voltar para os desenhos.
- Que se passa? - Perguntou-me parecendo preocupada mas a tentar fazer a pergunta como se fosse uma coisa normal.
Tinha beijado um rapaz que conhecia a um dia e ao qual eu partilhara coisas demasiado pessoais e tinha um namorado a minha espera ao qual eu não conseguia acabar a relação que tinha com ele. Sim algo se passava.
- Tu ias beijar o Taylor? - Perguntei de repente sem poder evitar.
Nora olhou para mim chocada e corada.
- O quê?
- Quando ele te levou para aqui, eu ao entrar reparei que vocês estavam demasiado próximos - disse encolhendo os ombros.
Nora fechou o caderno e olhou para mim cautelosa.
- Não, não ia - disse e suspirou como se estivesse a se convencer a si própria.- Taylor apenas me ajudou imenso a não me passar da cabeça.
- Okay, é que eu preciso imenso da tua ajuda Nora - disse e corei de novo.
- O que se passou?
- Niall ligou-me ele anda a me pressionar imenso, teme que vamos acabar e anda a fazer de tudo para não me deixar - disse e ela mordeu o labio pensativa. - A cena é que eu não sei se deva ou não acabar com ele, não sei se isto é uma coisa passageira... esta rotina.
- Clary, se estás com duvidas sobre a tua relação e se ele está a te pressionar assim tanto só significa que não está a resultar. Tu podes decidir continuar a tentar mas a situação do Niall vai aumentar. Eu chamo a esse estagio de relação de encalhados. Ambos querem acabar, mas ao mesmo tempo não querem acabar, uns escolhem ficar juntos e a um ponto a bomba explode e terminam de forma demasiado exagerada e ferida, outros tentam alternativas para activar o romance e conseguem e outros decidem que não vale a pena continuar com a farsa e acabam de forma limpa. Bem para uns de forma limpa a sempre um que se passa da cabeça. Não importa se o amas ou não - disse reparando que eu ia protestar -, eu conheço-te amar não é suficiente, tu precisas de algo novo e que te faça sorrir. Eu conheço o Niall, ele não é o teu género e tu só namoras com ele porque decidiste assentar.
Eu olhei para ela espantada. Como é que a Nora, a rapariga que foi manipulada, dependente e deprimida pelo namorado podia ser agora uma expert em relacionamentos? Ela reparou na minha expressão e riu-se.
- Eu sei, quem sou eu para dar concelhos, não é? Acontece que eu estou a ver a mesma situação na Marise e com o Luck. Que é só por acaso a razão porque vieste falar comigo?
- Como é que tu sabes? - Perguntei espantada.
- Estás corada, olhos brilhantes e estás com um olhar confuso que diz-me: acabei de ser beijada e gostei, o que devo de fazer quando tenho um namorado a uns quilómetros de distancia a minha espera completamente desesperado.
- Como é que tu podes saber só de vendo o meu rosto? - Perguntei espantada.
- Eu sei ler as pessoas... - disse com um sorriso manhoso - e além disso eu vi, entre os bancos.
Eu olhei para os bancos e vi que dava para ver por eles o que se passava. Eu corei de novo, se ela viu, quem mais viu?
- O que é que eu vou fazer?
- Eu não sei, - disse uma voz atrás de mim, eu olhei para trás Taylor estava agachado no corredor a olhar para mim muito serio, ainda não percebia como Nora conseguia estar a sua beira a vontade, - uma coisa te posso dizer, quando menos procuras encontras o que menos queres, na tua posição eu pensava bem no meu próximo movimento, mas se queres o meu concelho, Luck não beija raparigas a não ser que goste delas.
Eu olhei para Nora que o observava espantada e um pouco irritada por ele ter ouvido a conversa, mas então ela olhou para mim e encolheu os ombros.
- Ele tem razão.
- Pois tenho - disse sorrindo - e eu também tenho o meu lugar ocupado.
Corei pela milionésima vez e levantei-me mas ele não saiu da minha frente para eu passar.
-Se quiseres eu posso trocar de lugar para falares com a Nora, apesar de não querer sair da beira dela - murmurou olhando-me preocupado.
Eu ri-me surpreendida com a confissão dele e ele não ter medo de o admitir.
- Deixa estar Taylor, eu arranjo-me - disse sorrindo. - E já falei tudo o que tinha a falar.
Ele piscou-me o olho e deu-me um sorriso genuíno e eu tive um vislumbre do que a Nora via dele, ele era bem bonito. Ele desviou-se e eu sai para o corredor indo em direcção ao meu assento, quando cheguei a beira reparei que Luck tinha alguém ao seu lado, fiquei um pouco confusa mas ao dar um passo em frente vi quem era... Era Marise que estava ao seu lado e estavam a se beijar de forma entusiasmada, não aquela maneira rígida que fez na pastelaria. Eu fiquei a olhar para aquilo de boca aberta, Luck não estava a afasta-la, fiquei de boca aberta por segundos antes de me virar e me sentar a beira de Anya que estava a ouvir musica ela tirou de seguida o auscultador.
- Não tens a sensação que conheces o Nathan de algum lado? - Perguntou-me curiosa. - Eu tenho a certeza de que o conheço de algum lado... a cara dele não me é nada estranha.
- Talvez ele tenho uma daquelas caras conhecidas. - Murmurei colocando os pés no assento abraçando os joelhos.
- Estás bem? - Perguntou-me preocupada. - Estás um pouco pálida.
 - Estou bem - disse tentando sorrir. - Explica-me a tua relação com o Andrew.
Ela suspirou e olhou-me com alguma tristeza no olhar.
- Conheci-o quando tinha 14 anos e apaixonei-me por ele, mas a principio éramos só amigos e eu pensei que ele me tratava como uma irmã mas um dia levou-me a um lago e beijou-me, namoramos durante um ano só que ele teve que mudar de pais, por isso eu acabei com ele e nem me despedi.
- Nunca mais tiveste um namorado por causa dele? - Perguntei espantada porque a conheço desde os 15 anos.
- Não, era apenas a ele que eu amava, e sempre conhecia alguém, não conseguia ver a pessoa.
Fiquei sem saber o que fazer ao ver que ela ficara triste, felizmente o autocarro a frente de um hotel, o Hotel Casa Real. Tínhamos chegado finalmente.
Eu e a Anya saímos do autocarro evitando o Luck e Marise. Nós saímos para o passeio e fomos para a bagagem eu vi o Taylor a afastar a Nora que tentava passar pelas pessoas e pegar na sua mala e a dela. Eu ri-me ao ver que ele sorria de orelha a orelha. Nathan estava com Aurya na frente, eles tinham as suas malas e a minha e a da Anya. Ele deu a minha e piscou-me o olho. E vendo bem, eu conhecia-o, Anya tinha razão nós o conhecíamos. Omd!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Nathan tapou a minha boca ao se aperceber do que é que eu ia fazer.
- Por favor, não digas! - Exclamou a olhar-me desesperado. - Dá-me algum tempo sem que ela saiba.
Ele destapou a minha boca e colocou a sua mala no chão e a um mala de guitarra ao ombro. Olhei para o hotel e vi que Anya e Aurya estavam afastadas com as suas malas, a falarem, Taylor e Nora olharam espantados, mas Taylor que adivinhou o que se estava a passar segurou a sua mala e puxou-a com ela atrás. Alguns dos nossos companheiros olharam para nós curiosos.
- Tu és...
- Eu sei, eu sei... eu estava a espera que tivesse alguns dias antes de descobrirem.
- Vai ser um pouco difícil amanhã.
- Amanhã? - Ele perguntou confuso e então quando entendeu bateu com a mão na testa. - Esqueci-me por completo.
- Quando a Aurya souber, ela vai se afastar de ti - disse puxando a mala para o hotel com ele a minha beira.
- Então deixa-me ser eu a lhe contar e por favor não digas a ninguém.
- Achas que eu diria? Eu respeito rapaz... Sempre respeitei, mas a Nora vai adorar.
Ele riu suavemente e concordou.
- Eu vi o pin da mala dela - disse sorrindo. - Estava a espera que ela me descobrisse.
- Ela não liga a rapazes e com o que se passou ela não quer saber quem és ou o que fazes desde que permaneças longe.
- Ela parece gostar do Taylor.
- Isso não quer dizer nada - disse rindo. - Ela foi obrigada a conhece-lo e gostou de conhecer.
Ele acenou e olhou para mim quando entramos no Hall onde todos estavam a espera das chaves.
- Por favor, promete-me que não dizes nada.
- Prometo, não te preocupes.
Nós fomos para a beira de Anya e de Aurya, que olharam para nós desconfiados mas encolheram os ombros de seguida. Perto de nós Marise estava a falar com a rapariga que atacara Taylor e pareciam divertidas. Eu ainda assim queria ir a fuça da gaja. Taylor estava a falar com Luck que parecia chocado e Nora estava abanar a cabeça para ele e estava corada e furiosa provavelmente dera-lhe um sermão por ter visto o beijo entre eles. Eu abanei a cabeça e fiquei atenta a distribuir dos quartos. Desta vez havia a possibilidade de os casais ficariam num quarto de casal. Provavelmente, Luck e a Marise iam aproveitar. Cada um se chegou a frente e pegou a chave a medida que o seu nome era chamado. Eu fiquei no 213 com Anya, ela sorriu feliz ao dar-lhe a chave e foi a casa de banho enquanto eu foi para o elevador com Taylor, Nora, Nathan, Aurya, Luck e Marise. No momento que as portas se fecharam o meu telemóvel tocou, atendi rapidamente sem pensar se podia ou não ser Niall.
- Ouve, eu pedi um tempo, será que podes respeitar ou não? - Perguntei irritada para o telemóvel.
Pelo espelho do elevador vi que todos se calaram e olharam para mim. Luck ficou subitamente rígido sabendo com quem estaria a falar.
- Hum, Clary? - Perguntou uma voz desconhecida.
Corei dos pés a cabeça.
- Desculpe, pensei que era outra pessoa. Quem fala?
-É o Andrew.
Nora e Aurya olharam para mim desconfiadas quando fiquei com os olhos esbugalhados e de boca aberta a olhar para o espelho.
- O Andrew da Anya?
Todos olharam para mim espantados e curiosos.
- Exatamente! - Exclamou rindo divertido. - Já estão em Toledo?
- Sim. Como é que tens o meu número? - Perguntei admirada.
- Eu tirei-o do telemóvel de Anya. Eu preciso de um favor Clary, em que hotel vocês estão?
- Casa Real, porque... - tentei perguntar mas ele já tinha desligado.
- Não me digas que o rapaz vem atrás da rapariga? - Perguntou Nathan sorrindo.
- Acho que sim - disse rindo.
Nesse momento o elevador parou e quase todos saíram, menos eu e o Luck. Eu torci o cabelo nervosa e suspirei.
- Hum... - tossiu ao meu lado Luck, eu olhei para ele e vi que ele estava nervoso. - Clary acerca do beijo, eu nem pensei e o que eu disse sobre nós afastarmos foi....
- Um grande concelho - disse terminando a sua frase.
Ele olhou para mim e eu sai do elevador quando ele parou no meu andar. Luck foi atrás de mim e me virou puxando o pulso.
- Do que é que estás a falar? - Perguntou-me e calou-se olhando para mim confuso. - Eu pensei... que talvez nós...
- Não há nenhum nós, Luck. Eu vi-te a beijares a Marise.
Eu libertei-me dele e entrei no meu quarto sem olhar para trás. Fechei a porta e encostei-me a ela sentando-me no chão. Eu tinha acreditado nele, tinha confiado nele, beijara-o e trairá o meu namorado. E ele beijou a sua namorada lésbica como se gostasse dela, como tinha... me beijado. Como é que isto chegara a este ponto?, perguntei-me cansada.
Eu senti os seus passos do outro lado, próximos da porta e um leve bater na porta como se ele tivesse encostado os nós dos dedos na porta. Mas de seguida, como se tivesse mudado de ideias afastou-se.
Levantei-me recusando pensar no assunto e peguei na mala e abria começando a guardar as roupas no meu armário. Enquanto arrumava não parava de pensar no que tinha acontecido. O que é que eu ia fazer?
A porta abriu-se e dei um salto esperando que fosse Luck, mas era Anya. Ela olhou para mim vendo que estava em cima da cama assustada.
- Okay, algo se está a passar aqui! - Exclamou fechando a porta com um estrondo. - Que se passa contigo?
- O quê? Nada se passa - disse saltando da cama sorrindo com dificuldade.
Ela cruzou os braços e analisou-me de cima a baixo.
- Não acredito, mas não temos tempo para isto, temos que ir lá para baixo. O guia quer distribuir os itinerários e fazer uma pequena palestra. Vamos?
 Eu acenei e foi atrás dela para o elevador, que por sorte estava vazio e no corredor não havia sinais dele. Quando as portas do elevador se abriram, vi que estavam quase todos da viajem reunidos a entrar numa sala perto da recepção. Eu foi atrás da Anya só que quando estava a entrar, alguém me agarrou por trás e me puxou para uma esquina colocando-me contra a parede. Era Luck e ele parecia furioso.
- O que raio estás a fazer? - Perguntei espantada, olhei para trás dele e vi que Anya estava a porta a olhar para nós confusa.
- Primeiro vais-me ouvir até ao fim. E depois podes fazer o que quiseres. Okay?
Revirei os olhos mas acenei.
- Eu não estava a espera de te beijar e disse que nós devíamos afastar porque estamos em relações que não fazem o menor sentido e eu não te quero magoar nem quero que estejas a trair o teu namorado, percebeste?
- Perfeitamente - resmunguei. - É tudo?
- Não, quando foste embora eu refleti no que se passara e quando Marise se sentou ao meu lado eu nem olhei para ela, pensei que eras tu por isso beijei-a. - Disse corando e sorriu. - Quando eu me afastei fiquei tão surpreendido como ela, mas aí aconteceu algo que eu estava a espera a muito tempo, aquele beijo fez-a entender que não podia estar assim, ela "terminou" comigo e vai atrás da rapariga que ama, que só por acaso é Ridley.
Eu fiquei de boca aberta mas fazia sentido, Marise não parava de olhar para ela.
- E em relação a nós, eu vou te dar espaço mas eu decidi que não vou desistir de ti, Clary - disse sorrindo levemente e passou o polegar pelos meus lábios. - Não importa o que decidires, se acabares com ele eu estarei aqui, se continuares com ele eu ficarei como amigo. Mas a verdade é que estou a começar a gostar de ti.
Ele piscou-me o olho e desviou-se indo rapidamente para a sala deixando-me especada a olhar para o Hall. Olhei para as portas e vi que estavam a minha espera. Respirei fundo enquanto sentia o coração bater descontroladamente. Quando cheguei a beira de Nora, as raparigas olharam para mim desconfiadas.
- O que foi aquilo? - Perguntou Anya espantada.
- Hum Luck acabou com Marise.
- Eu sei, ela contou-nos que era lésbica a pouco - disse Aurya. - Fiquei de boca aberta afinal quando eles se beijavam... - assobiou. - Se bem que Luck nunca parecia a vontade, está explicado o porquê.
- Pois - disse olhando para as portas vendo Marise a beira de Ridley.
- Mas porque é que ele está agir assim contigo? - Perguntou Anya.
Olhei para Nora pedindo ajuda e ela suspirou tirando os auriculares dos ouvidos.
- Foi ela que os ajudou, o Luck contou-lhe ontem, ela ajudou a acabar.
- Okay, mas vocês estão agir de forma estranha - disse Aurya que começou a ir para a porta.
Nós seguimos-a indo para a beira dos rapazes que estavam de pé no meio do salão com mesas redondas. Luck foi para o meu lado, sorrindo de canto, eu corei e desviei o olhar para Aurya que estava a beira de Nora e de Taylor. Anya estava a minha frente a observar o Luck desconfiada.
- Que é que estás a ouvir Nora? - Perguntou reparando que Nora estava ainda com o Mp3 ligado.
- Lords. - Respondeu enquanto batia os dedos na mala consoante o ritmo.
Nathan desviou o olhar para mim ficando rígido, Taylor deu uma risada que conseguiu disfarçar com um tosse forçada e Luck ao meu lado começou a se rir.
- Aiii, nem me fales deles, por favor! São uns gatos! - Exclamou Aurya pondo um dos auscultadores no ouvido.
Nathan olhou para ela desconfiado.
- Conheces? - Perguntou Taylor de repente serio.
- Sim, as musicas - disse Aurya rindo - a Clary é que não para de falar nas figuras que fazem, eles parecem uns gatos.
Anya acenou rindo. Nathan olhou para mim desconfiado, Luck ao meu lado estava a olhar para mim com as sobrancelhas arqueadas.
- Que foi? É verdade, elas conhecem as musicas, eu conheço os rapazes, são... giros - disse rindo.
Nesse momento o guia entrou e ficamos calados a olhar para o palco onde ele parou a frente do micro. Eu olhei de canto para Luck, que chegou-se ao meu lado.
- Tu sabes?
- Sei.
- E estás na boa com isso?
- Porque não estaria?
-Cada vez mais, gosto de ti - sussurrou abanando a cabeça.
Corei e reparei que Nora sorria para mim como se estivesse em paz sobre algo.
Viagem Inesquecível
Love Peace and Write 
Kisses Lovewriters
P.s: Os Lords são uma banda fictícia deste blog, em breve saberão o que quer dizer...





Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.